“Pokémon Go” chega ao Brasil após um mês

Febre em várias partes do mundo há um mês, o game “Pokémon Go” chegou oficialmente ao Brasil nesta quarta-feira (3). No jogo, disponível nas lojas virtuais da Apple e do Android, usuários têm de caçar personagens no mundo real, usando a câmera do celular. Locais como o Bairro do Recife, no Centro, já têm até Ginásios Pokémon e PokeStops

O lançamento causa excitação para potenciais usuários, dada a natureza do produto: a união de uma série nostálgica e uma nova tecnologia em um aparelho amplamente disseminado, o smartphone. Ao mesmo tempo, causa certa preocupação com a segurança.

De acordo com números da consultoria App Annie, o jogo foi instalado mais de 100 milhões de vezes e tem gerado US$ 100 milhões de receita diária com usuários dos sistemas iOS (Apple) e Android (Google).

O Brasil foi apenas o 38º país a receber o jogo. A espera pelo produto teve seus percalços: nesta semana, o perfil no Twitter de John Hanke, diretor-executivo da Niantic, foi hackeado em um protesto pela demora.

No Bairro do Recife, no Centro, os visitantes podem até mesmo encontrar Ginásios Pokémon – onde é possível batalhar com líderes. Há pelo menos três deles na região, que prometem ser um novo point especialmente nos fins de semana. Até mesmo os prédios da Folha de Pernambuco e da Rádio Folha serão pontos de encontro, já que o local é classificado pelo jogo como PokeStop- ou seja, um lugar onde é possível obter as desejadas Pokebolas, usadas para capturar os monstrinhos, e outros itens.

Caçada urbana

Um dos motivos para a atenção obtida pelo jogo é a realidade aumentada, tecnologia que em casos avançados permite exibir hologramas e imagens 3D no campo de visão do usuário, misturando o real e o virtual. No caso de “Pokémon Go”, a aplicação é mais simples: ver o mundo por meio da tela do smartphone e sair em busca de criaturas como Pikachu para treiná-las.

“A realidade aumentada já havia sido testada antes, mas não em um aparelho com base instalada suficiente para que contagiasse um número de usuários tão grande. O celular muda isso”, diz Marcelo Tavares, presidente da feira BGS (Brasil Game Show), ao explicar parte dos motivos do sucesso do game.

O jogo causa essa comoção, entre outros motivos, por “sair da tela”, mudando a lógica dos games até agora, diz o historiador Helyom Viana-Telles, pesquisador do grupo de comunidades virtuais da Universidade Estadual da Bahia. “É uma ideia simples, de caçar monstrinhos. O cara pode sair e se reconectar com a cidade, dando uma outra dimensão ao lazer dos jogos”, afirma ele.

Reprodução

Pokémon Go

Para Juliana Cunha, psicóloga e coordenadora de canal de ajuda da ONG Safernet, é interessante que o jogo vá contra estereótipos geralmente presentes em relação a esse tipo de produto, com usuários “isolados, que não saem e não se engajam no mundo off-line”. “‘Pokémon Go’ permite uma interação com o ambiente”, diz ela.

Ao mesmo tempo, isso pode causar certos problemas -já houve relatos de assaltos e acidentes envolvendo o game.

A analista de telecomunicações Amanda Tinocco, 38, diz que ficou angustiada ao receber a notícia do lançamento do jogo. Há dois anos, seu filho, Gabriel, 16, morreu em uma rua do Rio ao cumprir uma missão para o jogo “Ingress”, desenvolvido pela mesma produtora, a Niantic –alguns dos dados de mapeamento de “Pokémon Go” vieram do game anterior.

O adolescente foi atropelado por um ônibus ao tentar realizar uma determinada conquista no jogo, do outro lado da rua.

“É complicado misturar virtual e real”, diz ela. “No mundo real, os perigos também são reais e às vezes as consequências não têm volta”, afirma ela (veja o depoimento dela ao blog Morte Sem Tabu.

Cunha recomenda que os pais conversem com os filhos antes de eles iniciarem suas missões. É preciso orientá-los sobre cuidados nas ruas para evitar acidentes e também sobre a interação com estranhos.

“Há um risco de aliciamento. Vale falar sobre com quem eles podem conversar, evitar o contato com estranhos, ficar apenas perto de amigos e conhecidos”, recomenda ela. Jogadores de até 11, 12 anos devem estar sempre acompanhados.

—-

>Da Folha de PE
>Via Dep. de Jorn. da Orobó FM, (Eraldo Albuquerque -Orobó; Quarta, 03 de Agosto de 2016 -19h02m)


Deprecated: Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/orobofm/public_html/wp-includes/functions.php on line 5523

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fale Conosco

Share on facebook
Share on whatsapp

Telefones Úteis

  • OROBÓ FM  81 3656 1264
  • ABRIGO SÃO FRANCISCO de ASSIS 81 3656 1594 / 81 9678 7378 (TIM)
  • BANCO do BRASIL  81 3656 1144
  • CÂMARA MUNICIPAL 81 3656 1143
  • CELPE (Companhia Energética de PE) 81 3621 1279 (Carpina)
  • COMPESA (Companhia de Água e Esgoto de PE) 81 3656 1162
  • COMSEF (Comunidade Semeando o Futuro) 81 3656 1399
  • CONSELHO TUTELAR 813656 1206
  • CORREIOS (Empresa de Correios e Telégrafos) 81 3656 1135
  • DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito) 81 3638 1194 (Bom Jardim)
  • DELEGACIA (PC) 81 3656 1190
  • DESTACAMENTO (PM) 81 9513 3884
  • ESCOLA ABÍLIO de SOUZA BARBOSA 81 3656 1499
  • ESCOLA PROFESSORA RITA MARIA DA CONCEIÇÃO 81 3656 1578
  • HOSPITAL SEVERINO TÁVORA 81 3656 1124
  • PARÓQUIA NOSSA SENHORA da CONCEIÇÃO 81 3656 1226
  • PREFEITURA 81 3656 1156
  • SECRETARIA de SAÚDE 81 3656 1177