“Birdman” é o grande vencedor do Oscar e consagra o mexicano Iñárritu

O filme “Birdman”, do diretor mexicano Alejandro González Iñárritu, foi o grande vencedor da 87ª edição do Oscar, com quatro prêmios, incluindo as estatuetas de melhor filme e diretor. A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas também premiou o filme do diretor mexicano nas categorias de melhor fotografia e roteiro original. “Birdman”, um filme que é uma reflexão sobre o e ego as frustrações no mundo artístico, conquistou o coração da indústria de Hollywood.

Iñárritu, que seguiu os passos do compatriota Alfonso Cuarón, vencedor do Oscar de melhor diretor ano passado por “Gravidade”, saiu do teatro Dolby consagrado, com as estatuetas de filme, diretor e roteiro original, prêmio dividido com Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris e Armando Bo. “A arte verdadeira, a expressão individual verdadeira como o trabalho incrível dos diretores indicados não pode ser comparada, não pode ser etiquetada e não pode ser vencida”, disse o cineasta de 51 anos ao receber o prêmio de diretor.

“O Grande Hotel Budapeste” também saiu da cerimônia com quatro prêmios, todos técnicos (Figurino, Maquiagem e Penteados, Design de Produção e Trilha Sonora). Whiplash venceu em três categorias (ator coadjuvante, mixagem de som e montagem). Os prêmios de interpretação não apresentaram surpresas, com as vitórias do ator britânico Eddie Redmayne e da atriz americana Julianne Moore por seus papeis em “A Teoria de Tudo” e “Para Sempre Alice”, respectivamente.

Redmayne, 31 anos, foi premiado por sua performance como o astrofísico Stephen Hawking, portador de uma doença degenerativa, em “A Teoria de Tudo”. Juliane Moore venceu o Oscar por sua interpretação de uma mulher que tenta lutar contra o diagnóstico de Alzheimer precoce em “Para Sempre Alice”. “Muitas pessoas que têm esta doença se sentem isoladas e marginalizadas. Uma das coisas maravilhosas dos filmes é que nos fazem sentir que somos vistos e não estamos sozinhos”, disse a atriz de 54 anos.

Entre os coadjuvantes, os favoritos da temporada de prêmios também foram os vencedores. J.K. Simmons levou a estatueta na categoria ator coadjuvante por seu papel em “Whiplash”, um professor de música sádico que leva os alunos ao limite. No discurso de agradecimento, o ator fez uma homenagem à mulher, Michelle Schumacher.

Patricia Arquette venceu na categoria atriz coadjuvante pelo papel de Olivia Evans, a mãe divorciada do garoto Mason Jr. em “Boyhood”, no único prêmio que o filme recebeu no Oscar, apesar das seis indicações para o longa-metragem rodado em 12 anos pelo diretor Richard Linklater. A atriz, a primeira integrante de uma família de três gerações de artistas a receber a estatueta dourada, aproveitou o discurso para defender direitos iguais para as mulheres nos Estados Unidos.

Na disputada categoria de filme em língua estrangeira, o prêmio ficou com o polonês “Ida”, do diretor Pawel Pawlikowski. O filme, em preto e branco e que conta a história de uma jovem judia que teve os pais assassinados e cresceu em um convento na Polônia comunista, superou o russo “Leviatã”, o estoniano “Tangerines”, “Timbuktu” (Mauritânia) e o argentino “Relatos Selvagens”. A Disney venceu pela segunda vez consecutiva na categoria filme de animação, com “Operação Big Hero” (Frozen foi o vencedor em 2014).

O representante brasileiro na cerimônia, o documentário “O Sal da Terra”, sobre o trabalho do fotógrafo Sebastião Salgado, codirigido por seu filho Juliano Ribeiro Salgado e pelo cineasta alemão Wim Wenders, foi derrotado por “Citizenfour”, longa-metragem sobre Edward Snowden, ex-analista de inteligência da NSA que revelou um grande programa de vigilância coordenado pelo governo americano e que atualmente vive exilado na Rússia.

O ator Neil Patrick Harris, que apresentou o Oscar pela primeira vez, abriu a cerimônia no teatro Dolby com um número musical sobre a indústria cinematográfica, com direito a uma piada sobre a presença apenas de atores brancos nas categorias de interpretação. A edição deste ano foi marcada pela ausência de atores negros entre os indicados, a primeira vez que isto acontece desde 1998, o que provocou um debate sobre a diversidade entre os 6.124 membros da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Várias organizações civis prometeram um protesto diante do teatro Dolby, mas o clima foi tranquilo na área do tapete vermelho.

Em um momento curioso, o ator John Travolta subiu ao palco ao lado da atriz Idina Menzel para anunciar o prêmio de canção original, em uma espécie de ‘mea-culpa’ por ter errado o nome da artista na cerimônia do Oscar do ano passado, o que gerou muitas piadas nas redes sociais e programas de TV. Desta vez, Idina teve a oportunidade de ‘devolver’ a gafe para Travolta.

Um dos momentos mais emocionantes da noite foi o discurso de agradecimento de Graham Moore, vencedor na categoria roteiro adaptado por “O Jogo da Imitação”. “Quando eu tinha 16 anos, eu tentei me matar, porque me sentia esquisito, diferente. Queria que esse Oscar fosse para aquela criança que se sente assim. Continue estranho, continue diferente”, afirmou o britânico, muito aplaudido.

>>Confira todos os vencedores do Oscar pela ordem de divulgação dos resultados:

Melhor ator coadjuvante
J. K. Simmons (Whiplash)

Melhor figurino
Milena Canonero (O Grande Hotel Budapeste)

Melhor maquiagem e cabelo
Frances Hannon e Mark Coulier (O Grande Hotel Budapeste)

Melhor filme em língua estrangeira
Ida (Polônia)

Melhor curta-metragem
The phone call

Melhor documentário em curta-metragem
Crisis Hotline: Veterans Press 1

Melhor mixagem de som
Craig Mann, Ben Wilkins e Thomas Curley (Whiplash)

Melhores efeitos visuais
Paul Franklin, Andrew Lockley, Ian Hunter e Scott Fisher (Interestelar)

Melhor edição de som
Alan Robert Murray e Bub Asman (Sniper americano)

Melhor atriz coadjuvante
Patricia Arquette (Boyhood)

Melhor animação em curta-metragem
“Feast”

Melhor animação
“Operação Big Hero”

Melhor design de produção
“O Grande Hotel Budapeste”

Melhor fotografia
Emmanuel Lubezki (Birdman)

Melhor montagem
Tom Cross (Whiplash)

Melhor documentário
“CitizenFour”

Melhor canção
“Glory”, de John Stephens e Lonnie Lynn (Selma)

Melhor trilha sonora
Alexandre Desplat (O Grande Hotel Budapeste)

Melhor roteiro original
Alejandro G. Iñárritu, Nicolás Giacobone, Alexander Dinelaris Jr e Armando Bo (Birdman)

Melhor roteiro adaptado
Graham Moore (O jogo da imitação)

Melhor diretor
Alejandro Gonzáles Iñárritu (Birdman)

Melhor ator
Eddie Redmayne (A teoria de tudo)

Melhor atriz
Julianne Moore (Para sempre Alice)

Melhor filme
Birdman

>Da Folha de PE
>Via Dep. de Jorn. da Orobó FM, (Eraldo Albuquerque -Orobó; Segunda, 23 de Fevereiro de 2015 -05h31m)


Deprecated: O arquivo Tema sem comments.php está obsoleto desde a versão 3.0.0 sem nenhuma alternativa disponível. Inclua um modelo comments.php em seu tema. in /home/orobofm/public_html/wp-includes/functions.php on line 5579

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Fale Conosco

Share on facebook
Share on whatsapp

Telefones Úteis

  • OROBÓ FM  81 3656 1264
  • ABRIGO SÃO FRANCISCO de ASSIS 81 3656 1594 / 81 9678 7378 (TIM)
  • BANCO do BRASIL  81 3656 1144
  • CÂMARA MUNICIPAL 81 3656 1143
  • CELPE (Companhia Energética de PE) 81 3621 1279 (Carpina)
  • COMPESA (Companhia de Água e Esgoto de PE) 81 3656 1162
  • COMSEF (Comunidade Semeando o Futuro) 81 3656 1399
  • CONSELHO TUTELAR 813656 1206
  • CORREIOS (Empresa de Correios e Telégrafos) 81 3656 1135
  • DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito) 81 3638 1194 (Bom Jardim)
  • DELEGACIA (PC) 81 3656 1190
  • DESTACAMENTO (PM) 81 9513 3884
  • ESCOLA ABÍLIO de SOUZA BARBOSA 81 3656 1499
  • ESCOLA PROFESSORA RITA MARIA DA CONCEIÇÃO 81 3656 1578
  • HOSPITAL SEVERINO TÁVORA 81 3656 1124
  • PARÓQUIA NOSSA SENHORA da CONCEIÇÃO 81 3656 1226
  • PREFEITURA 81 3656 1156
  • SECRETARIA de SAÚDE 81 3656 1177